Cene Galeotte: uma jantar dentro do presídio de Volterra!

06/dez | por Deyse Ribeiro

No  dia 22 de novembro eu participei de uma CENA GALEOTTE, ou seja, um jantar dentro do presídio de segurança máxima de Volterra.

CENE GALEOTTE

A nome Galeotte, vem do italiano antigo, aquele que remava as galee (galéias em português, barco grande a remo), ou seja, um escravo ou encarcerado, logo, um prisioneiro. Portanto o Jantar do Prisioneiro acontece em Volterra, nas Fortaleza da cidade (saiba mais sobre a Fortaleza abaixo).

Neste jantar, realizado em cooperação com um supermercado toscano, os presidiários aprendem a cozinhar o prato e também a servir. O jantar é de altíssimo nível, com chef de nome e com uma seleção de vinhos maravilhosa, aprovadíssimo!

foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

As reservas devem ser feitas com antecedência e o menu e os vinhos são avisados alguns dias antes, no site do evento. https://www.cenegaleotte.it/

P1050172

No dia do jantar, dia 22/11 fui com meu marido, porém, a desilusão foi que na entrada, fui proibida de levar celular e maquina fotográfica para a sala do jantar (ok, o celular imaginava que não poderia, mas fotos não??), bom, por isso utilizo as fotos postadas na página do facebook oficial do evento. Ja na estrada, depois de passar pelo detector de metais (não somos revistados) entramos na Fortaleza, ficamos numa ante-sala até a chegada de todos os participantes do jantar. Depois, todos juntos passamos por vários labirintos e portas até chegar nesta sala, que servia de igreja, mas muito bem decorada e organizada com cura pelos presidiários (veja o vídeo no fim). As mesas são de 8 pessoas, e me colocaram na mesa com um grupo que trabalhava no presídio, foi bom porque assim pude saber ainda mais sobre o local.

Os pratos e talheres são de plástico, por segurança, mas as taças são de vidro. Os policiais ficam na entrada, e alguns até sentam na mesa comunitária. Logo no início, se apresenta a organização que aquele dia, receberá o valor dos ingressos, que vai em beneficência. Tudo acontece em um ambiente divertido, porque alguns detentos formaram um grupo e tocam algumas músicas conhecidas e as pessoas cantavam junto, num animado jantar italiano.

foto

o menu

Nesta noite chef escolhido foi o MIRKO MARTINELLI do Ristorante Bagno Oasi di Follonica (www.oasiristorantebagno.it) que propôs uma cozinha de peixes, que baseia sua crença estilo minimalista da cozinha, com pouca intrusão no mérito da frescura do produto. Em suma, foi uma noite deliciosa para todos os participantes, mas especialmente uma outra grande experiência de trabalho para os jovens envolvidos no projeto.

o chef foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

o chef
foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

Ainda houve uma seleção de vinhos oferecidos para harmonizar os pratos do chef, e foram escolhidos pela FISAR (Federação Italiana Sommelier, que eu participo) e a selecionada foi a ADEGA PRODUTORES CORMONS (www.cormons.com ), que é um dos mais conhecidos da cena vinho friulano.

O Menu era:

ANTPASTI
Tonno in cevice

Pappa di cicale
Cerino affumicato con crema di patate e aringa affumicata
Alici marinate
DA BERE: Metodo Classico Cormòns

PRIMI
Crostone toscano con scaloppe di cerino

Nasello al vapore su creme di peperoni
Zuppetta d’astice
DA BERE: Metodo Classico Cormòns

SECONDO
Paccheri con baccalà, sedano rapa e topinambour,

polpa di riccio e….
DA BERE: Pinot Bianco Collio 2012
Trancio di S.Pietro in sottovuoto

con verdure a diverse consistenze
DA BERE: Friulano Collio 2012 (magnum)

DOLCI: Bavarese alle fragole
DA BERE: Moscato Rosa Spumante

O jantar é possível graças à intervenção de Unicoop (supermercado Toscano), que, além de fornecer as matérias-primas necessárias para implementar os pratos e ainda assume os prisioneiros pagando-lhes regularmente.

foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

foto original de: https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

O projeto é implementado em colaboração com o Ministério da Justiça, a liderança da Casa de Detenção de Volterra, a supervisão artística do jornalista e crítico de vinho Leonardo Romanelli, que  escolhe os chefs envolvidos no evento.

Um papel-chave também é desempenhado pelo Fišar – Delegação histórica de Volterra, que também é responsável por selecionar o serviço gratuitamente para empresas que colocam os seus vinhos em conjunto com o menu.

1456023_663089347056321_1990248317_n

Devo confessar que foi uma experiência interessantíssima, sem esquecer a beneficência que é a alma da noite: os recursos (o custo de cada jantar é de 35 € por pessoa), como sempre, é totalmente doada para projetos humanitários apoiados pelo FONDAZIONE IL CUORE SI SCIOGLIE ONLUS (www.cambiala.it/fondazione).

O jantar acontece uma vez por mes. Os presidiários, quando terminam a pena, até conseguem emprego na área, recolocados com a ajuda da UNICOOP, a história interessante, conta um deles no início do evento, que já saiu do presídio, conseguiu um bom emprego em um restaurante de Volterra conhecido, mas todo o mês, voluntariamente vai ao presídio ajudar os colegas! Acho tudo isso fantástico! Vale muito a pena participar, e eu irei uma outra vez!

A comida de presídio não é assim tão ruim! ah!

Veja algumas fotos de alguns pratos:

E ainda um vídeo de uma reportagem sobre o jantar para uma TV brasileira:

A FORTALEZA: hoje o presídio de Volterra

Foto: Wikipedia Commons

Foto: Wikipedia Commons

Hoje a Fortezza é usada como presídio de máxima segurança, e não é visitável, a não ser nos dias do Jantar Galeotte.

Do alto da colina, a Fortezza Medicea é visível a quilômetros de distância e apresenta o perfil da colina em que a cidade foi construída,  em 1474, exatamente dois anos após a cidade de Florença vencer uma guerra amarga pelo controle das minas de alume de Volterra, um mineral importante usado na fabricação de têxteis, é um sulfato duplo de alumínio e de potássio, o alume tem sabor adstringente e serve para fixar as tintas e clarear as águas. A intenção era apenas para proteger a cidade, mas principalmente para mantê-lo sob controle e evitar rebeliões.

Uma parte dela – a área mais a leste – já existia antes de 1474, chamada de Rocca Vecchia, o Cassero. Esta estrutura, que ampliou as defesas da cidade, tinha a intenção de proteger a área ao redor da Porta a Selci e foi concluída em 1292.

Foto: Wikipedia Commons

Foto: Wikipedia Commons

Sobre 1343 Walter de Brienne, duca de Atenas e governante de Florença, assumiu o controle da Fortaleza e construiu uma nova torre no outro lado, chamada de Mastio. A torre foi então se juntou à original formando uma estrutura única protegida por muralhas e fossos. Entre o Mastio e a Rocca Vecchia foi construída também uma cortina dupla que juntou as duas fortalezas e dando a possibilidade de hospitalizar uma guarnição substancial de soldados.

Veja algumas fotos:

INFORMAÇÕES:
site: www.cenegaleotte.it
Calendário dos jantares, clique aqui.
Preço: €35 por pessoa
Reservas: Agenzie Toscana Turismo – ARGONAUTA VIAGGI – Tel. 055.2345040
Fotos e página facebook:https://www.facebook.com/pages/Cene-Galeotte/269247679773825

.

Para saber mais de Volterra, leia meus artigos publicados sobre a cidade, clique aqui.

Lembro ainda que realizo passeios guiados em Volterra.

  • City tour simples: 3hs, conhecendo um pouco de Volterra, seus monumentos principais e sua história. Clique aqui para saber mais.
  • City tour completo com Museu: 6 horas caminhando pela cidade, serão 3 hs pela manhã, parada para o almoço de 1 a 2 horas, e mais 3 hs de passeio a tarde. Clique aqui para saber mais.
  • City tour com visita vinícola: 6 hs Desvendando a história e os monumentos durante uma caminhando pelo centro da cidade + visita a um Castelo/Burgo Medieval com degustação de vinhos Clique aqui para saber mais.
  • Energia da terra: os geisers: 3hs. Visita a Sasso Pisano e ao Museu della Geotermia a Larderello (Pomarance). A energia geotérmica, que é conhecida em todo o mundo para a produção de electricidade é aqui visível em seu aspecto natural. O calor que emanam do solo é rico e se transforma em fontes termais e aquecimento para as casas. A viagem inicia com uma das “fumarolas”, pequenos geysers, que por cerca de dois quilômetros, numa paisagem única, é marcada por fenômenos naturais que emanam da terra calor e vapor. Clique aqui para saber mais.
Quer conhecer bem a Toscana?
Veja alguns dos passeios que ofereço aqui!
Um passeio guiado é a melhor forma de conhecer a arte, a cultura e a gastronomia local!


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Participe e dê seu pitaco!