Capodanno Pisano: no dia 25 de março em Pisa se comemora 2018!

04/mar | por Deyse Ribeiro

Assim como vimos em Florença, no dia 25 de março também se comemora em Pisa o Ano Novo (o Capodanno Pisano), pois o Calendário Stile Pisano era diferente do calendário Gregoriano, conheça esta história e veja a programação da festa desde ano.

Vamos primeiro conhecer porque o Calendário Pisano era diferente:

Os calendários

A ideia de um fim e um início do ciclo anual era dado pelo retomada do aumento gradual dos dias pela noite e é marcada pelo solstício de inverno. O início do ciclo natural da vegetação, com recuperação do trabalho no campos pela primavera, coincide com o fenômeno astronômico do solstício de inverno. As sociedades agrícolas antigas estavam inclinadas, muitas vezes para começar o ano em um dia em torno do equinócio de março, sendo também o início da colheita e trabalho nos campos. No entanto numa sociedade agrícola como Romana, não se hesitou em escolher o calendário de Rômulo, onde o ano começava em março.

Foi Júlio César, em 45 a.C, a codificar esta inovação, definindo o início do ano com o dia primeiro de Janeiro,  porém durante a Idade Média, as formas de calcular o início do ano foram se multiplicando e, durante séculos permaneceram sem mudança.

Anunciação de Beato Angélico

Com o Cristianismo foram as festas religiosas à marcar o tempo. O início do ano foi estabelecido segundo os diferentes lugares, principalmente em uma dessas duas datas: a Anunciação (25 de Março) ab Incarnatione ou no Natal, com a natividade (25 de Dezembro).

A consideração geral sobre a primeira escolha (25 de março) é que o ciclo anual começa simbolicamente com o primeiro ato de salvação, que é a encarnação de Cristo, momento em que Verbum caro factum est. A escolha do Natal, que cai nove meses depois, liga-se o início da “aparição da Palavra entre os homens”, como festa mais solene do cristianismo, então a opção que depois prevaleceu.

Com a queda de Roma em 476 d. C, e com o fim das invasões bárbaras na Idade Média, surgiram as repúblicas livres e cidades livres. Tantas cidades italianas elaboram então diferentes unidades de pesos e medidas, cunhando as suas próprias moedas, instituíram as suas próprias leis e impostos, e também criaram seus próprios calendários, retornando, em muitos casos, para coincidir com o início de um evento ou uma festa da primavera.

Que tal visitar Pisa comigo? Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

O calendário atual

O calendário atual foi instituído pelo Papa Gregório XII para realinhar a mudança da fase do equinócio invernal causada pela imprecisão inerente ao calendário juliano, que foi baseado em um comprimento médio do ano de 365 dias e 6 horas, cerca de 11 minutos a mais que o ano tropical. O calendário, que leva o nome do Papa Gregório e foi concebido pelo calabrês Luigi Grillo, foi posto em prática em 1582, quando se passou do dia 4 de outubro ao dia 15 de outubro em uma só noite.

Uma curiosidade: o calendário gregoriano foi adotado na Inglaterra, depois de quase dois séculos, enquanto a Grécia, Sérvia e Rússia até a Primeira Guerra Mundial ainda era usado o calendário juliano. Mesmo em Pisa e em Florença o novo calendário não teve uso imediato da sua proclamação pelo Papa. Foi somente com o decreto Granduca de 20 de novembro de 1749, que impôs aos Toscanos o uso do calendário gregoriano, em seguida, estabeleceu o novo ano em janeiro.

Pisa, a república marinara, e o seu calendário

O chamado “stile pisano”, era um tipo especial de calendário em uso em Pisa  até meados do século XVIII, que indicava o início do ano no dia 25 de Março (festa da Anunciação da Virgem Maria de acordo com o calendário litúrgico), antecipando-se nove meses e sete dias do calendário  stile moderno ou “stile della Circoncisione“, estilo que usamos hoje, indicando a dia 01 de janeiro como o primeiro dia do ano.

Então em Pisa foi definido então coincidir o início do ano com o dia da Anunciação (e, portanto, a Encarnação de Jesus) , ou seja, nove meses antes do dia de seu nascimento, 25 de dezembro. Decidindo assim chama-lo de Anno Pisano ab Incarnatione Domini (ou de Cristo ). O dia 25 de março então, se tornou o primeiro dia do novo ano civil, o que, em seguida, seria concluído em 24 de março do ano seguinte. O primeiro documento datado no Estilo Pisano (usa-se colocar as letras “sp” abreviado ) remonta a 985.

G. Lami, Lapide que recorda o ingresso no calendário gregoriano.
Pisa, Loggia del Palazzo Comunale

A data de 25 de Março tem um duplo significado: é o dia da Anunciação à Virgem Maria (a quem é intitulado o Duomo de Pisa) e está próximo do equinócio da primavera, que vê o despertar da vida após os rigores do inverno.

Precisamente por esta razão março foi escolhido entre muitas outras cidades para estabelecer o início do ano: como Florença e Siena, que também escolheram o dia 25, no entanto, um ano mais tarde do que a cidade de Florença. Por isso em Pisa entramos em 2018, enquanto em Florença, é o início de 2017.

O calendário Pisano permaneceu em vigor durante séculos, mesmo nas terras pertencentes à República de Pisa: como a costa entre Portovenere e Civitavecchia, nas Ilhas de Gorgona, Elba, Pianosa, Córsega, Sardenha, além das Ilhas Baleares, Gaeta, Reggio Calabria, Tropea, Lipari, Trapani, Mazara, Tunísia, Argélia, Egito, Palestina, Síria, a cidade de Azov (no mar de mesmo nome, na foz do rio Don ) e finalmente Constantinopla, onde os Pisanos e venezianos eram os únicos ocidentais a serem capazes de se estabelecer.

Este calendário durou até 20 de novembro de 1749, dia em que o Granduca da Toscana, Francesco I de Lorena determinou que em todos os estados da Toscana, no primeiro dia de janeiro do ano seguinte, começava o ano de 1750. Assim, o estado Pisano, formado aproximadamente pelas atuais províncias de Pisa e Livorno, teve que se conformar com o uso do calendário gregoriano como o resto da Toscana.

«Al nome di Iddio e della G[lorio]sa Ver[gi]ne Maria avocata n[ost]ra e di tutti e’ Santi della celestiale corte del Paradiso, amen. In domenica entrò il primo g[i]orno de l’anno 1583 che la gro[rio]sa Vergine fu an[n]untiata in el qual tenpo per noi pisani si piglia il mil[l]esimo che siamo a 25 di marzo»

Na década de 80 do século XX se voltou a falar sobre essa festa, e desde então o Ano Novo é sempre o mais esperado e comemorado, com inúmeras iniciativas culturais e até mesmo de convívio em restaurantes e locais históricos da cidade.

Foi graças ao estudo e paixão por Pisa, que Paulo Gianfaldoni, um grande historiado que estudou por anos a história da cidade, voltou a atenção dos cidadãos de vários festas e tradições esquecidas, inclusive esta. Ele recuperou a história do raio do sol que ilumina a Catedral somente no dia 25 de março de cada ano, uma tradição que existia desde o início da construção do Duomo de Pisa, depois do ano 1000.

Hoje, como ontem, o início do Ano Pisano é marcada por uma espécie de relógio de sol: ao meio-dia, a cada 25 de março,  um raio de sol penetrava no Duomo de uma janela chamada Aurea atingindo uma área no altar. Ao longo do tempo este relógio falhou por causa de mudanças de rotação da terra do século XVII. O mecanismo solar foi restaurado no final do século XIX e XX, usando uma janela diferente e definindo o ponto onde conduz a luz do sol e define a chegada do ano novo, em um ovo de mármore colocado sobre um pilar ao lado de onde foi remontado o púlpito de Giovanni Pisano em 1926.

lastra de marmore onde há o raio de luz

O evento hoje é precedido por um cortejo histórico da República Marítima dos Comuns e Gonfalones Pisanos e é comemorada com uma breve cerimônia religiosa, que termina às 12 em ponto.

Momento em que a igreja lota de pessoas que esperam que o raio de sol atinja finalmente o ovo de  mármore (ovo sempre símbolo de vida nova) para comemorar o início do novo ano “stile pisano”.

O Capodanno (Ano Novo) de Pisa é o mais famoso da Toscana e o que possui mais manifestações e festas de toda a Toscana, superando muito a festa fiorentina. Veja a programação abaixo.

Programação do ano novo de 2018!

Veja a programação do evento:

  • de 23 março à 15 abril, todos os sábados e domingos, abertura ao público e visita guiada do Fortilizio e della Torre Guelfa
  • 25 de março à 5 de abril ficará aberta a exposição ‘Alla scoperta di Pisa’ (a descoberta de Pisa), através da coleção do artista Da Caprile e das roupas utilizadas na festa medieval do “Gioco del Ponte“
  • 25 e 26 de março abertura para caminhada na muralha de Pisa, gratuito.

Sexta, 24 de março

18h – apresentação do livro  ‘Le tre età di Pisa’ no Fortilizio della Cittadella
20h – Na área recuperada da Cittadella, nos Arsenali Repubblicani, ocorre o jantar de inauguração do Capodanno Pisano, acompanhado de cantos, teatro, poesia em dialeto pisano. É um evento aberto a todos. 

Sábado 25 de março
9:00 – partida do desfile Medieval das principais praças da cidades,  até se encontrarem na Piazza dei Cavalieri
11:30 – partida do desfile da Piazza dei Cavalieri para o Duomo
12:00 –  Cerimônia na Catedral do raio de Sol
13:30 – Lançamento dos paraquedistas  da Folgore, sobre o Ponte di Mezzo, com as bandeiras de Pisa e do Capodanno Pisano
paracadutisti della Folgore
17:00 –  No Fortilizio della Cittadella a apresentação do romance“Matilda” di Rita Coruzzi; 
17.30 – Na piazza Duomo a apresentação do  mondiale dell’auto e del team italiano que vai participar do  24ore di LeMans. 
19:00 – No palco da piazza Garibaldi a apresentação da equipe que participara da Regata delle Antiche Repubbliche Marinare
21:00 – Revocação e jogos históricos com festas, danças e cantos medievais em vários locais da cidade: Logge Di Banchi, piazza La Pera, Piazza Vittorio Emanuele, Piazza della Berlina, Vallo Sangallo, Piazza Dante e outras praças do centro. E música itinerante da Opus Band. 
22:30 – Ao longo do rio arno “lungarni” se terá um espetáculo piro musical, ou seja, fogos de artifício que seguem o ritmo da música.
23:00 – na Piazza Garibaldi, o show do Capodanno Pisano, com grupo musical ainda não divulgado
 
Domingo, 26 de março

11:30 – A investitura do  Gioco del Ponte na piazza dei Cavalieri;
16:00 – Revocação e jogos históricos com festas, danças e cantos medievais em vários locais da cidade: Logge Di Banchi, piazza La Pera, Piazza Vittorio Emanuele, Piazza della Berlina, Vallo Sangallo, Piazza Dante e outras praças do centro
17.30 – Ao longo do rio Arno, continua a festa com a regata straordinaria delle Antiche Repubbliche Marinare, a competição entre as cidades de Pisa, Amalfi, Venezia e Genova.
18.30 – Ao final da Regata, a premiação na piazza Garibaldi
22.30 – Na piazza dei Cavalieri o segundo show do Capodanno Pisano com grupo musical ainda não divulgado

Que tal visitar Pisa comigo? Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

*Este post contém indicações para  serviços de afiliados. Para ver nossa política de monetização, clique aqui.


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Mapa

Participe e dê seu pitaco!