10 dicas do que fazer na Ilha de Elba

04/jun | por Deyse Ribeiro

Veja 10 dicas do que fazer na Ilha de Elba, a maior ilha do arquipélago da Toscana e terceira maior da Itália, com suas praias de um azul intenso.

Hoje no nosso passeio pela Toscana falaremos de um local paradisíaco. Se trata nada mais e nada menos que a ilha de Elba. Esta ilha é a maior ilha do Arquipélago toscano e a terceira em grandeza na Itália. Juntamente com as outras oito ilhas do arquipélago entre as quais Giglio, Giannutri e Montecristo, faz parte do Parque Nacional do Arquipélago Toscano, o maior parque marinho da Europa.

A ilha de Elba é famosa em todo mundo por ter hospedado o grande Napoleão durante o exílio em 1814. Mas a sua história é bem mais antiga e inicia na era proto-histórica com a etnia liguri e mais adiante com os etruscos e romanos.

A ilha é rica de testemunhanças do seu passado como se vê em tantos vestígios arquiológicos conservados nos museus, das imponentes arquiteturas militares como o medieval castelo del Volterraio e das esplêndidas residências napoleônicas como a Palazzina dei Mulini.  

O que fez com que se tornasse uma meta turística seja entre os italianos que entre os estrangeiros foram o mar cristalino e as esplêndidas praias de Elba. A riqueza da passagem, seja terrestre que marinha faz desta ilha um paraíso que não perde em nada das ilhas exóticas do Caribe.

A ilha de Elba é uma meta ideal para quem ama fazer esporte em área aberta. Por exemplo, mergulhar naquelas águas é uma experiência única própria pela extraordinária variedade de espécies de vida marinha. Também é possível fazer outras atividades como trekking e mountain bike ou ainda é possíve escolher o extremo relax das águas termais.

Abaixo então escrevo as minhas…

10 dicas do que fazer na Ilha de Elba:

Se você pensa que a ilha de Elba é somente uma ilha com mar, sol e praias está equivocado. Esta ilha é constituída de 8 municípios, aproximadamente 20 centros habitados e de uma história ultramilenária. Tudo isso sem esquecer da grande natureza da ilha que oferece excursões maravilhosas da cima do Monte Capanne às pedreiras minerais. E não acaba tudo aqui porque ainda se pode ver as outras ilhas do arquipélago toscano: Giglio, Pianosa, Montecristo, etc. Em poucas palavras a ilha de Elba é uma experiência inesquecível e sobretudo é uma experiência que se adapta a todos os gostos: adapta para quem viaja sozinho, ou também a um casal que busca um momento romântico e até mesmo as famílias com filhos. Começamos então a revelar as 10 coisas para fazer nesta maravilhosa ilha.

1. Descobrir as maravilhosas praias:

A primeira coisa para ver na ilha é sem dúvida a praia!. A ilha contém 150 praias, uma mais linda que a outra. Emolduradas por penhascos íngremes e rochas ou imerso na natureza do Mediterrâneo selvagem, confortáveis ​​e equipados ou selvagens e desertas, as praias da Ilha de Elba são certamente bonitas e não tem nada a invejar às praias mais exóticas do Caribe.

Na verdade, se você escolher Elba para as suas férias na Toscana, você pode escolher entre as pequenas enseadas de areias douradas de Cottoncello e as longa praia de areia branca de Capo Bianco, ou entre as praias de areias vermelhas de mineração, ou nas de cascalho de muitas cores, ou aqueles de pedra pretas como “delle Tombe“, uma das mais belas praias que você pode chegar caminhando a partir da praia de Fetovaia. Não perca a praia de Sansone, caracterizada por águas cristalinas e areia branca, assim como a praia Forno, emoldurado por pequena vila de pescadores. Além ainda de Cavoli, muito amada pelos jovens, e Barabarca, entre as mais bonitas de Capoliveri.

Fetovaia localizada no município de Campo nell’Elba parece ter aquela “essência” que distingue das outras praias. É uma praia de areia branca que contribui com a coloração turquesa da bahía. É um cenário paradisíaco com um pequeno incoveniente: é muito buscada durante o verão especialmente agosto mas ainda assim é um lugar fantástico para visitar!

2. Conhecer as Residência Napoleônicas:

Além de ser conhecida historicamente pelas civilizações antigas como os Etruscos e os Romanos e pelas belezas naturais, a ilha é também conhecida em todo o mundo por ter sido o lugar onde Napoleão Bonaparte foi exiliado devido ao tratado de Fointainbleau de 1814. Depois da grande derrota contra a sexta coalisão político-militar entre Grã-Bretanha, Império Russo, Prússia, Suécia, Império Austríaco e alguns estados alemães, a Napoleão foi concebida uma saída de cena digna com a instituição do Principado da Ilha de Elba.

Um minúsculo estado soberano para consentir ao imperador de conservar os títulos de nobreza em câmbio da definitiva renúncia a qualquer direito dinástico sobre o território francês. Os seus primeiros atos foram a aquisição de duas casas para a organização da corte da qual fazia parte até mesmo a sua anciã mãe e a irmã Paolina. Estas duas sedes, Palazzina di Mulini e Villa San Martino foram transformadas em museus e conservam os móveis da época. Na primeira residência é visível a impontente biblioteca do imperador, enquanto na “maison rustique” da Villa San Martino as obras de arte presentes foram acrescentadas por Anatolio Demidoff, marido de Matilde di Monfort, sobrinha de Bonaparte.

Palazzina dei Mulini – Piazzale Napoleone – Portoferraio
Segunda à sábado: 8.30/18.00
Domingos e feriados: 8.30/13.00
Fechado na terça-feira; 1 janeiro; 25 dezembro
Bilhetes: 5,00 €
Villa San Martino – localidade San Martino – Portoferraio
Segunda à sábado: 8.30/19.30
Domingos e feriados: 8.30/13.30
Fechado na segunda-feira; 1° janeiro, 1° maio e 25 dezembro
Bilhetes: 5,00 €uro
Info no site 

 3. As imponentes torres e Fortalezas de Portoferrario

Existe uma Fortaleza Medici em Portoferraio. As paredes da muralha englobam o centro histórico de Portoferraio e  garantiram a segurança dos navegantes no mar Tirreno. As principais fortalezas no sistema de fortificação são os fortes Stella e Falcone (construídos em terrenos mais altos e dominam a cidade) e a torre octogonal Torre della Linguella, na entrada do porto.

A entrada para a fortaleza é pela Via Guerrazzi, a estrada vulgarmente conhecida como a “Porta a Terra”, porque leva à segunda entrada da cidade Medici. Impressionante é o passeio no “Fronte d’Attacco”, um complexo arquitetônico majestoso e imponente que se fecha para o oeste da antiga cidade de Cosmopoli, a cidade de Cosimo.

A fortificação é composta de baluardos e torres colocados em alturas diferentes verso o mar, e formava um dos principais centros de defesa da cidade, juntamente com Forte Falcone, Forte Stella e Linguella; progressivamente reforçados ao longo do tempo, eles foram residência militar e importantes pontos de observação e vigia da ilha. Hoje possui uma séria de bancos, um bar, jogos para crianças, exposições e que permitem passar momentos agradáveis ​​suspensos entre passado e presente, dando ao visitante a imersão sugestiva na história ilustre da cidade.

Não deixe de visitar o museu arquiológico de Portoferraio inaugurado em 1985. É uma etapa obrigatória para quem quer aprofundar na milenária história de Elba. Os descobrimentos arquiológicos compreendem um arco temporal que vai do VII século a.C. ao V d. C. Ou seja da época dos Etruscos aos Romanos. Existem provas de intenso comércio com Ischia, a primeira colônia da Magna Grécia colonizada no VII século a.C. Os bens de luxo eram a cerâmica e os perfumes provenientes do Oriente em câmbio de ferro elbano. Estes e tantos outros detalhes são minuciosamente contados nos painéis didascálicos localizados nas duas salas da Linguella, torre de observação e defesa feita no XVI século por Cosimo I de’ Medici para evitar os ataques da pirataria turca. A torre muitas vezes foi usada como cárcere de máxima segurança. Ali foram presos Giovanni Passanante, o anárquico que em 1878 tentou matar o Rei Umberto I, e em 1933 o antifascista Sandro Pertini, inesquecível Presidente da República Italiana.

Fortaleza Medici
Horário:
De 26 março – 7 junho e de 18 setembro – 5 novembro: 10:00 – 18:40
De 8 junho – 17 setembro: 10:00 – 20:00
Cosmopoli Card:  € 7,00
Museu Arqueológico de Portoferraio – Torre Linguella
Horário:
2 abril – 12 junho hora 10:00 – 13:00/15:30 – 19:10
14 setembro – 2 novembro hora 10:00 – 13:00/15:30 – 19:10
13 junho – 13 setembro hora 9:30 – 13:30/17:30 – 24:00
Bilhetes: 4,00 €

4. Subir o Monte Capanne:

A subida ao Monte Capanne, 1019 metros sobre o  nível do mar, é um dos lugares para visitar. Os caminhos para chegar a cima são diversos, até mesmo se as soluções indicadas são duas, ambas com a partida de Marciana, um dos oito municípios da ilha. A primeira opção, cômoda e sugestiva é o teleférico que se encontra na localidade Pozzatello a dois passos do centro. Aberta ao público em 1963, dispõe de 54 cabines e o percurso se faz em 18 minutos (tempo de subida e descida). Os horários são das 10:00 às 13:00 e das 14:20 às 17:00 com 1 hora de break das 13:20 às 14:20.

6. Fazer trekking ao Santuário della Madonna

Na linda cidade de Marciana, fica o Santuário, uma igreja do século 11, que guarda ao seu interior uma pedra sobre a qual uma mão divina diz ter pintado uma imagem da Virgem, acreditando ter poderes milagrosos.

É uma caminhada revigorante e persistente ao longo de uma antiga trilha de subidas cheias de nichos com pinturas como uma “via crusis” cercada por pinhais perfumados, castanheiros, salvia selvagem e tomilho. O panorama costeiro que se desenrola ao no caminho é notável. Uma vez que você alcança a capela do monte (627 metros), beba como Napoleão fez da antiga fonte de pedra em frente à igreja, procure a placa que comemora sua visita aqui a cavalo em 1814.

7. Experimentar o vinho local: Aleatico dell’Elba DOCG

Não deixe de provar o vinho Aleatico dell’Elba DOCG, realizado com uma variedade de origem grega, importada pelos romanos e, posteriormente reavaliado por Napoleone Bonaparte, que fez aumentar as vinhas. É um vinho muito especial, e produzido apenas em Elba e em Gradoli. Sua produção não é tão simples, na verdade, as uvas são deixadas na videira além do periodo de amadurecimento, por algumas semanas. Em seguida, eles são secas em esteiras ao sol durante um período variável de dias, necessitando assim vira-las frequentemente. Depois de passar para a fermentação alcoólica a uma temperatura controlada. Posteriormente, algumas vinícolas também passam pela fase de 12-14 meses de envelhecimento em barris de carvalho, e depois na garrafa por mais de 4 meses.

Cor rubi intenso, cor vermelha com granada, se destaca por notas de frutos secos e compotas. Na boca é macio, redondo, quente. Ele vai bem com sobremesas de chocolate, e com os doces típicos de Elba,  entre eles a schiaccia briaca, e por si só é uma grande vinho. Em 2011 Aleatico de Elba ganhou a distinção como DOCG – Origem Controlada e Garantida.

7. Conhecer o Parco Minerario (Parque Mineral):

Um parque no parque. Assim foi definido o Parque Mineral da Ilha de Elba, nascido com a dupla intenção de conservar e valorizar aquilo que resta da grande indústria extrativa de ferro. A visita começa no museu que se encontra no centro histórico de Rio Marina. Além de 600 m² de espaço onde estão custodiados e catalogados os principais minerais extraídos nas minas elbanas: elbaite, ematite, pirite, quarzo, etc. As fotos da época contam o trabalho dos mineiros e as máquinas em uso nas atividades extrativas nos anos 80. Depois do museu a excursão segue com um breve passeio de trem sempre acompanhados de um guia ambiental do lugar. Para maiores informações é possível consultar estes site:  www.parcominelba.it

8. Passear em Capoliveri:

Entre tantas atividades que se pode fazer a Elba uma delas que não pode ser esquecida é a mountain bike. Não é por acaso que no percurso que leva ao Monte Calamita em 1994 foi disputada a prova italiana do campeonato do mundo Grunding de MTB. Hoje este percurso é um dos 5 do Capoliveri Bike Park. Cada circuito individuado por uma cor diversa e devidamente assinalado por placas ao longo do trajeto. Mas não tudo acaba aqui porque o município de Capoliveri é também mar, praia e sensação. É particularmente agradável caminhar na praia ao atardecer e desfrutar da paisagem ao redor.

9. Conhecer Porto Azzurro:

A Piazza Matteotti é a mais bela praça da ilha de Elba e entre as mais belas da Itália, famosa como local de encontro para passeios românticos e lojas. Na praça durante o verão, existem inúmeros eventos históricos, gastronómico, culturais e de entretenimento. No dia da minha visita, estava tendo a festa que comemorava a chegada de Napoleão na Ilha.

Recentemente foi inaugurada na costa de Porto Azzurro, “La Passeggiata Carmignani“, um caminho que liga o cais do Porto Azzurro à praia de Barbarossa. A caminhada é de aproximadamente 1 km de comprimento e é uma totalmente equipada e iluminada, adequada para crianças, leva cerca de 20 minutos cercado pelo cheiro dos maquis do Mediterrâneo e cercado pelas paredes do imponenti do Forte San Giacomo, e com uma vista panorâmica da praia incrível.

10. Mergulhar em Capo Sant’Andrea:

Capo Sant’Andrea está localizado na encosta noroeste de Elba, na cidade de Marciana. Já povoado pelos Etruscos, é um tesouro de maravilhas escondidas para descobrir: praias, falésias, montanhas e natureza da beleza deslumbrante. Além disso, é um lugar perfeito para a prática de esportes no mar, tais como canoagem, mergulho e mergulho, tanto em terra como mountain bike.

Chegamos mais uma vez ao final do nosso passeio pela Toscana. Se você ainda está pensando onde passar as férias este ano estas dicas sobre a fantástica ilha de Elba pode ajudar você a decidir. Mas se não for este ano quem sabe no próximo. Fica aí dica para você.

*Este post contém indicações para  serviços de afiliados. Para ver nossa política de monetização, clique aqui.


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Participe e dê seu pitaco!