Simonetta Vespucci, a maior musa do Renascimento

28/jan | por Deyse Ribeiro

Conheça a história de Simonetta Vespucci, a maior musa do Renascimento, retratada por muitos artistas como Botticelli.

Vênus e Marte - Botticelli

Vênus e Marte – Botticelli

No dia 28 de janeiro de 1453, nascia em Gênova,  Simonetta Cattaneo, a mulher mais bonita da Idade Média. Simonetta Cattaneo, uma beleza ainda sem maquiagem ou cirurgia estética, que encantou uma cidade inteira, e reinou com a sua beleza pelo Renascimento. Talvez ainda hoje, nem uma Miss Itália ou Miss Universo poderia ser comparada com a simplicidade e a beleza desta menina que, em Gênova, era conhecido como “ la stella” (estrela), e à Signoria da época, como “senza pari”, (sem precedentes).


banner2

Que tal visitar Florença comigo?
Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

 A história

Em 1469 de abril, quando ele tinha apenas dezesseis anos, ela se casou com Marco Vespucci, um primo distante do navegador Americo Vespucci (Américo Vespúcio em português). Após o casamento, o casal estabeleceu-se em Florença, a família Vespucci era muito conhecida na cidade. A chegada dos recém-casados coincidiu com a chegada de Lorenzo, o Magnífico, à frente da República Fiorentina. Os dois irmãos Lorenzo e Giuliano deram as boas-vindas aos recém-casados no palácio Medici na Via Larga e em sua homenagem organizaram uma grande festa na casa de campo de Careggi. A estas se sucederam curtos anos de festas e recepções em uma vida suntuosa dos quais os Medici eram o centro.

Eleanor Fortescue-Brickdale - Botticelli's Studio

Eleanor Fortescue-Brickdale – Botticelli’s Studio

Seu cabelo acobreado loiro e os olhos azuis (uma raridade para a época), imediatamente conquistaram o coração dos florentinos, que se dividiram entre seu amor por Florença e à linda donzela. Por sua graça era adorada pela alta sociedade e disputada por todos os grandes artistas da época; o Medici Lorenzo, o Magnífico, lhe dedicou um soneto ( “O chiara stella che co’ raggi tuoi…”), seu irmão Giuliano se apaixonou loucamente, Ghirlandaio, Piero di Cosimo, e Pollaiolo à retrataram em suas obras, Botticelli à fez imortal em o “Nascimento de Vênus”, a ninfa Flora da “La Primavera”, os muitos outro retratos.

O ápice da fama da beleza de Simonetta ocorre com o “Torneo di Giuliano”, um torneio “cavalheiresco” realizado em Piazza Santa Croce em 1475. Aqui Giuliano de ‘Medici, como imortalizado nos poemas de Agnolo Poliziano, ganhou um retrato de Simonetta colocado em disputa e pintado por Botticelli, em que constava a inscrição “La Sans Par” (a “incomparável”), enfatizando mais uma vez sua incrível beleza, que nenhuma mulher mortal poderia ser comparada.

Morte di procri - Piero di Cosimo

Morte di Procris – Piero di Cosimo

Simonetta foi  proclamada a “Rainha do torneio”, e sua extraordinária beleza e graça já tinha conquistado toda Florença, em primeiro lugar Giuliano de ‘Medici. O Pulci, poeta da época, dedicou alguns sonetos, como também o próprio Lorenzo Magnífico em sua “Selve d’Amore“.

Mas será a pintura a deixar exemplos numerosos e esplêndidos desta “fanciulla“, que ainda é considerada a mulher mais bonita do Renascimento. Dela é um retrato de Botticelli na Galeria Palatina e outro de Piero di Cosimo, no Museu Condé em Chantilly.

Retrato de Simonetta Vespucci

Retrato de Simonetta Vespucci – Botticelli

A existência de Simonetta, infelizmente, foi um verdadeiro meteoro fugaz, porque só um ano mais tarde, 26 de abril de 1476, morreu de tuberculose (ou peste), com a idade de apenas vinte e três anos. Por seu triste fim Lorenzo, o Magnífico, escreveu o soneto que começa assim: “O chiara stella che co’ raggi tuoi…”, (estrela clara que com seus raios … ), onde ela a imagina subindo aos céus para enriquecer o firmamento.

Florença escolheu como musa e ela sabia ser magnificamente a personificação do charme da cidade dos Medici, canalizando assim, no seu encanto a imaginação de todos os florentinos. Fabrizio De André, seu compatriota, que cantava “…come tutte le più belle cose, vivesti solo un giorno come le rose…” (como todas as mais belas coisas, você viveu apenas um dia como rosa) e, na verdade, a estação de Simonetta terminou muito cedo.

Retrato di una fanciulla - acredita-se ser Simonetta Vespucci - Piero di Cosimo

Retrato di Simonetta Vespucci – Piero di Cosimo

Mas acima de tudo, as pinturas hoje, retratam a sua beleza, como fez Sandro Botticelli, cujo grande parte das suas figuras femininas foram inspiradas em Simonetta mesmo após a sua morte, como: o “Nascimento de Vênus”, a “Primavera” e o “sonho do Giuliano”, que Poliziano havia sugerido ao artista. Na sua morte, ele deixou escrito para ser enterrado em seus pés; o túmulo do pintor, na verdade, está localizado na Igreja de Ognissanti, padroeira da família Vespucci, ao lado de sua amada Simonetta.

Mas acredite, aquele que se perde nos olhos de “Venere“, resta enfeitiçado hoje, como os pintores e toda Florença no renascimento….

Venere - detalhe da pintura "Nascimento de Vênus" Botticelli

Venere – detalhe da pintura “Nascimento de Vênus” Botticelli

Retratto di Simonetta

detalhe do Retrato de Simonetta

Madonna con bambino - Botticelli - Museu de Varsávia

Madonna con bambino – Botticelli – Museu de Varsávia

detalhe do Nascimento de Vênus

detalhe do Nascimento de Vênus

Madonna con Bambino - Botticelli

Madonna con Bambino – Botticelli

Fotos/Fonte: Wikipedia Commons

Que tal visitar Florença com uma guia brasileira? Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

*Este post contém indicações para  serviços de afiliados. Para ver nossa política de monetização, clique aqui.


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Participe e dê seu pitaco!