Um passeio pela muralha de Lucca

 •  0

By

O símbolo de Lucca, é sem dúvida a sua muralha fortificada que circunda o centro, em um passeio pela muralha de Lucca é possível conhecer e admirar essa construção única e saber mais sobre a história da cidade.

A muralha de Lucca pode ter sido construída para manter as pessoas afastadas, mas atualmente é uma das razões pelas quais milhares de visitantes se reúnem aqui todos os anos. Esse tipo de muralha é único na Itália e um testemunho imponente do passado glorioso da cidade. Muros  largos e arborizados, são o local perfeito para um passeio a pé ou de bicicleta.

As dimensões das paredes são surpreendentes: 4 quilômetros de comprimento, quase 30 metros de largura. Composto por 11 diferentes níveis de terraplenagens. Pelos padrões da época, era um sistema de defesa magistral!

Map de 1896

A muralha: um breve panorama histórico

As muralhas que agora circundam a cidade de Lucca são na verdade a quarta versão. Os romanos fundaram Lucca há 2.000 anos, em 180 aC, e construíram a primeira fortificação. Durou até 1118, quando Lucca se tornou uma comuna e o segundo conjunto de paredes foi construído integrando as antigas romanas. Ainda é possível ver alguns vestígios da muralha romana junto à igreja de Santa Maria della Rosa.

Durante 1300, Lucca tornou-se maior e foi necessário cercar e defender melhor a cidade dos inimigos com o terceiro conjunto de paredes. Em vez disso, as enormes paredes maravilhosas e fascinantes que vemos hoje são de origem renascentista. A construção começou em 1504 após mais de cem anos.

Elisa Baciocchi (irmã de Napoleão e princesa de Lucca) decidiu transformar as paredes e a área ao redor delas em um espaço verde para as pessoas caminharem, criando assim a versão que vemos hoje. Curiosamente, as paredes nunca foram usadas para seu propósito original (proteger a cidade de uma invasão), mas salvou Lucca de uma enchente em 1812.

Veja nossas opções de tour em Lucca clicando AQUI

Google maps – Lucca hoje

Fatos sobre a muralha:

A muralha da cidade de Lucca têm mais de 4 km de comprimento e 12 metros de altura. São 6 portas que dão acesso à cidade. Apenas três dessas portas são as originais construídas durante a construção das paredes: Porta San Pietro, Porta Santa Maria e Porta San Donato. Para passar de carro pelo centro da cidade é necessário um acesso especial que só os habitantes de Lucca têm. Porém em algumas portas é possível entrar com carro e logo em seguida há alguns parques de estacionamento à sua escolha, porém lembre-se que não poderá circular a cidade de carro.

A forma de fazer a guerra mudou no final de 1400, início de 1500, com a invenção da pólvora. Anteriormente, as paredes precisavam ser muito altas (e não muito largas) para evitar qualquer tentativa de escalada e para neutralizar o uso de arcos e flechas. Se você é fã de Game of Thrones, imagine a Parede de Winterfell que, em vez de ser feita de gelo, era feita de pedras. Diferentemente, com o uso de canhões na guerra, castelos e cidades precisavam de muros maiores, mas não muito altos, feitos de tijolos e preenchidos com terra, para resistir aos tiros de canhão.

As paredes defensivas de Lucca também tinham outra estranheza. Geralmente, as cidades fortificadas tinham quatro entradas principais, uma para cada ponto cardeal. Em vez disso, em Lucca, havia apenas três portões: norte, oeste e sul. Você consegue adivinhar por quê?

Porque no Leste estava Florença, a inimiga de Lucca número 1. Os florentinos tentaram conquistá-la durante séculos, sem sucesso. Essa ação teve um significado simbólico e desafiador; Lucca era orgulhosamente uma cidade independente e seu povo teria defendido a cidade com todas as suas forças dos ataques de Florença e da Família Medici.

Porque a muralha resistiu até hoje?

Você tem que saber que Lucca foi um dos mais famosos produtores de seda do mundo ocidental desde o final do século XII. Vendedores de todo o mundo iam a Lucca para vender seus produtos e comprar têxteis preciosos. Lampas, tecidos decorados com pássaros e padrões de animais, brocados com enriquecimentos de fios de ouro e prata. Graças a esse comércio, Lucca se tornou uma cidade rica. Além disso, sua boa diplomacia estabeleceu relações lucrativas com o Papa e as mais poderosas Famílias Européias, para ficar fora de qualquer guerra.

Portanto, Lucca foi uma cidade independente por mais de 700 anos, e a única pessoa capaz de conquistá-la foi Napoleão durante o Primeiro Império Francês. É durante seu controle que o quarto portão oriental das paredes foi construído. Recebeu o nome de “ Porta Elisa ” em homenagem a Elisa, irmã de Napoleão, Grã-duquesa da Toscana, Princesa de Lucca e Piombino, Duquesa de Massa e Princesa de Carrara. Posteriormente, foram construídos outros portões menores para facilitar o acesso e a saída de e para o centro antigo.

O tipo de muralha da cidade, o papel importante no mercado da seda, a sua riqueza, a diplomacia altamente capacitada e, por último, a sorte de não ter sido bombardeada durante as grandes guerras de 1900, são os principais fatores que permitiram à cidade de Lucca preservar o esplendor que ainda admiramos.

Um passeio pelas Muralhas de Lucca e seu subsolo

Em primeiro lugar, temos que esclarecer que apenas os baluartes ou bastiões (que são aquelas “esquinas” das muralhas) possuem subterrâneos, enquanto as paredes retas  estão cheias porque precisaram resistir aos tiros de canhão. Assim, um passeio a pé para conhecer melhor as muralhas deve passar por cima das paredes e descer para conhecer dentro dos bastiões de San Paolino, Santa Croce e San Martino.

O bastião de San Paolino –  foi recentemente reformado preservando a estrutura original. Hoje o subsolo abriga eventos e exposições especiais (se o nível de umidade não for muito alto), e também há uma saída para subir diretamente nas muralhas.

O bastião de San Donato – diferente dos demais, o baluarte de San Donato não possui subsolo. Ele está situado entre a Porta Sant Anna e a Porta San Donato. Este bastião sempre foi inseguro porque foi construído sobre um pedaço de terreno pantanoso. Junto ao bastião existe um antigo quartel, as antigas cavalariças e as ruínas das antigas muralhas mais adiante.

O bastião de Santa Croce –  é dedicado ao “Volto santo”, o venerado crucifixo de madeira hospedado na catedral de San Martino que é também um dos padroeiros de Lucca (saiba mais sobre o “volto santo” AQUI). Do lado de fora, o baluarte é amplo, muito verde e luminoso, e dá uma bela vista panorâmica das torres e telhados da cidade. Está bem conservado e ainda podemos ver as ruínas das muralhas medievais e o antigo quartel dos soldados. Durante a Segunda Guerra Mundial, este espaço foi usado como abrigo para os civis, e ainda podemos ver o resto das fundações das antigas fortificações medievais que durante o Renascimento foram fundidas com as muralhas da cidade moderna. O Bastião de Santa Croce é definitivamente meu favorito, lendo alguns livros antigos de Lucca, descobri que o antigo quartel do bastião, anos atrás, era um escritório dos Carabinieri. Hoje abriga um estúdio de pintura. Este é um bom exemplo de requalificação que permite também à população local viver um importante edifício antigo da história da cidade.

É importante porém explicar que os bastiões estão abertos ao público apenas em eventos especiais.

A última parada do passeio pelas muralhas de Lucca e seu subsolo pode ser o Bastião de San Martino ao longo do lado norte da fortificação. Caminhando ao longo das paredes, passamos ao lado da atual prisão da cidade e há uma história comovente para contar.

Em 1960, um dos maiores trompetistas de jazz do mundo, Chet Baker, foi preso aqui por 16 meses. Baker era considerado um poète maudit que tocava e cantava como um anjo sem saber música, um autodidata talentoso. Ele era muito ligado à cidade de Lucca, onde tinha bons amigos, e tocava na zona costeira de Versilia naquele verão quando foi preso por tráfico de drogas. Durante sua prisão, ele obteve permissão para tocar seu trompete, então todos os dias uma multidão se reunia em frente à prisão ouvindo suas maravilhosas melodias. Também em dezembro do mesmo ano, outro grande clarinetista de jazz, Henghel Gualdi enfrentou a lei organizando, ao longo desta parte das paredes, um concerto improvisado e comovente como presente de Natal para Chet.

No caminho para o Bastião de San Martino, você passará em frente aos belos jardins italianos do Palazzo Pfanner e até a igreja de San Frediano. A singularidade desta igreja é que a fachada tem uma orientação incomum para Jerusalém, enquanto a maior parte da igreja tem o altar apontado para o oeste.

A entrada no baluarte de San Martino é gratuita. Funciona também como uma porta secundária para sair do centro. As restaurações desenterraram o resto da torre octogonal datada de 1300. No portão, uma enorme estátua de robô feita em papel recebe os visitantes. No interior ainda encontramos arcos antigos feitos em tijolos que os jogos de luz (à noite) os tornam ainda mais fascinantes. Você também pode olhar para as seteiras usadas para defender as paredes com canhões. Os canhões mais poderosos (que podiam disparar a até 4 km de distância) estavam no topo das paredes, enquanto dessas janelas atiravam pedras, pregos e restos de ferro.

As muralhas de Lucca de bicicleta ou a pé

Embora a maioria das cidades italianas possua fortificações e portões, Lucca é um raro exemplo de muralhas perfeitamente mantidas em sua totalidade. Com isso, é possível percorrer toda a cidade a pé ou de bicicleta e desfrutar de maravilhosas vistas sobre o centro histórico e os Alpes Apuanos. As muralhas são um ponto de encontro perfeito e local de exercício para os Lucchesi (habitantes de Lucca) em dias de sol e domingos. Você encontrará aluguel de bicicletas em toda a cidade e principalmente perto das muralhas. Porta Santa Maria é um bom ponto de partida para pegar uma bicicleta, tandem ou até mesmo um quadriciclo e acessar a pista no topo das paredes. O vasto cinturão verde próximo às muralhas da cidade é perfeito para piqueniques no verão.

As muralhas da cidade de Lucca oferecem um grande compromisso para os amantes da história e viajantes que procuram uma maneira original de passar uma tarde. Afaste-se das ruas movimentadas do centro histórico e desfrute do ar puro e das vistas incríveis . Fazer o circuito completo das paredes também é a melhor forma de entender e visualizar a cidade como um todo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

banner2

O Passeios na Toscana é uma empresa de venda de serviços turísticos, criada por Deyse Ribeiro, guia de turismo autorizado e especialista em turismo na Itália. Aqui você pode reservar tours particulares em português na Toscana e na Itália, além de serviços como transfers, sessões fotográficas, passeios de barco,  tours gastronômicos, aula de culinária, organização de casamentos e muito mais. Conheça nossos TOURS e EXPERIENCIAS.

Não deixe de baixar os mapas grátis da Toscana aqui!

Tags: