Casa Buonaroti, o museu da casa da família de Michelangelo

19/dez | por Deyse Ribeiro

Conheça a Casa Buonaroti, o museu/casa da família de Michelangelo, hoje um museu que contém algumas obras do artista e uma grande coleção de desenhos.

A Casa Buonarroti é um lugar para recordar e celebrar a grandeza de Michelangelo e, ao mesmo tempo, uma requintada exposição das coleções de arte da família. A casa é um dos mais extraordinários museus florentinos e oferece, em primeiro lugar, a possibilidade de admirar as duas famosas peças em relevo em mármore, esculpidas por Michelangelo nos seus primeiros anos: a Madonna della Scala, que mostra claramente a paixão deste artista por Donatello e a Batalha dos Centauros, um símbolo daa admiração dele pela arte clássica.

Mas antes de tudo, vamos conhecer um pouco da história da Casa Buonarroti.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_3

frente da Casa – foto: wikipedia commons

A história da casa da família de Michelangelo

Naquela área da cidade onde hoje fica a Via Ghibellina, Michelangelo comprou em 1508 três terrenos onde tinham sido construídas outras três casas. Mais tarde ele comprou um outro edifício adjacente a uma das casas: era o ano de 1514. As primeiras duas casas ele alugou, enquanto nas outras duas, que eram um pouco melhor, ele viveu entre 1516 e 1525, e as transformou em um só palacete.

O irmão de Michelangelo, Buonarroto, morreu de peste em 1527, deixando dois filhos, Francesca e Leonardo, único herdeiro homem da família. Uma preocupação constante de Michelangelo era que o sobrinho se casasse, para que o nome da família seguisse adiante. Quando o rapaz encontrou uma esposa, Michelangelo transmitiu para ele a propriedade daquela casa que simbolizava e honrava o nome da família.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_16

A fase mais significativa da Casa Buonarroti foi marcada, no entanto, pelo trabalho de um dos filhos de Leonardo, Michelangelo Buonarroti II, o Jovem, personagem de grande destaque no cenário cultural de Florença na primeira metade do século XVII. Michelangelo, o Jovem, expandiu o fundo imobiliário e foi graças a um seu impulso que o palácio adquiriu o aspecto, não só externo, que ainda mantém. Ele foi responsável pela realização das quatro salas monumentais no andar nobre, seguido de um quartinho onde ele amava guardar inúmeras peças, antigas e modernas, das suas coleções.

As quatro salas celebravam as glórias do tio-avô e a grandiosidade da família, e elas continham um programa decorativo bastante complexo, preparado pessoalmente por Michelangelo Buonarotti II, o Jovem, e concluído em cerca de trinta anos, de 1612 a 1643. Foram chamados para a decoração da Casa Buonarroti os artistas mais importantes de Florença na época.

Madonna della Scala - foto: wikipedia comuns

Madonna della Scala – foto: wikipedia comuns

Michelangelo, o Jovem,  morreu em 1647. Como ele não teve filhos, o sucedeu na administração da casa o sobrinho Leonardo. Graças às rígidas cláusulas do testamento, Michelangelo, o Jovem, conseguiu com que a propriedade permacesse íntegra.

O museu hoje é administrado por uma fundação privada. Ele foi dado à cidade de Florença em 1858 e agora abriga um museu dedicado à obra de Michelangelo.


banner2

Que tal visitar Florença comigo?
Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

A visita à Casa Buonarroti

A Casa Buonarroti contém apenas algumas obras de Michelangelo, mas as salas são bem decoradas e nas paredes há alguns afrescos. O passeio permite que você absorva a atmosfera de um pequeno palácio do século XVII, além de, claro, admirar obras de artistas importantes da época, como Artemisia Gentileschi, Pietro da Cortona e Giovanni di Francesco.

Artemisia gentileschi, inclinazione

Artemisia gentileschi, inclinazione

Curiosidade: Artemisia Gentileschi era a única pintora mulher da época, grande amiga de Galileu e de Michelangelo O Jovem, o qual encomendou uma pintura que representasse as melhores qualidades do seu ilustre tio-avô. A pintura se chama “Allegoria dell’Inclinazione”.

Algo muito interessante para aqueles que visitam a Casa Buonarroti é ligar as obras de Michelangelo a séculos de história da família, a qual fez o possível para expandir a habitação, para embelezar, para manter o valioso patrimônio cultural e para recolher raras coleções de arte: pinturas, esculturas, cerâmica e achados arqueológicos podem ser admirados em dois andares do museu, compostos por 16 salas.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_22

coleção de achados arqueológicos da família

No primeiro andar, você pode admirar logo na primeira sala a coleção  de achados arqueológicos da família que conta com cerca de 150 peças. O mérito de ter reunido peças assim diversas e importantes vão principalmente a dois membros da família Buonarroti que habitavam o palácio, Michelangelo II, o Jovem e Filippo. Para este último se deve o acréscimo mais visível da coleção, particularmente no que respeita ao setor dos Etruscos.

Nas salas seguintes estão expostas obras de artistas que se inspiravam em Michelangelo, tanto na pintura, quanto na escultura e outras coleções da família.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_21

No andar de cima você tem a oportunidade de apreciar o trabalho de coleta e preparação pelos sobrinhos-netos para exaltar as habilidades de Michelangelo. Destacam-se sobretudo os modelos em cera, argila, madeira, gesso, que serviram para uma série de esculturas realizadas por Michelangelo. Há também moldes para esculturas que ele nunca chegou a realizar.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_20

modelo do carro que foi feito para o transporte do Davi

Entre as esculturas que ele nunca chegou a terminar, estão o “Dio Fluviale” e os “Dois lutadores” (1525).

O "rascunho" da escultura Os dois lutadores, que Michelangelo não levou adiante.

O “rascunho” da escultura Os dois lutadores, que Michelangelo não levou adiante.

Como falei no início do texto, na Casa Buonarroti estão preservadas duas esculturas originais de Michelangelo: a Madonna della Scala e da Batalha dos Centauros, as quais se encontram no corredor que leva seu nome. Trata-se de dois relevos esculpidos pelo artista quando ainda era bem jovem, mas já mostram seu notável conhecimento da anatomia.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_15

Batalha dos centauros

Nos ambientes nobres da casa, Michelangelo, o Jovem mandou realizar afrescos que enaltecessem a vida e as obras do tio-avô, todas as 3 salas posteriores foram desenhadas por ele.

A inteira biografia de Michelangelo sobre tela pode ser admiradas na “Galeria” graças às mãos de vários pintores, incluindo Artemisia Gentileschi. As dez pinturas nas paredes são na sua maioria momentos em que Michelangelo estava em contato com papas e reis. As pinturas do teto retratam cenas de morte e apoteose do artista cercado por alegorias de sua qualidade; monocromos se referem à episódios biográficos tomados como exemplos de sua virtude.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_1

Galleria

O piso, com azulejos policromos majólica de Montelupo, foi construído em 1616. O portas figurado, em exposição no centro, foram feitas por desenhos de Bento Calenzuoli por Pietro da Cortona.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_12

A “Camera della Notte e del Dì” leva o nome do afresco no teto realizado por Jacopo Vignali, representando Deus que separa a luz das trevas e a personificação da noite e do dia. Além de inúmeras pinturas, nesta sala você pode observar a busto de bronze de Michelangelo realizada por Daniele da Volterra. A decoração do quarto foi concluída em 1637-1638, com a representação de personagens da família Buonarroti e eventos relacionados a ele, feitos por vários artistas, entre eles Pietro da Cortona, que pintou Buonarroti condecorado como Conde Palatino pelo Papa Leão X.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_7

Camera della Notte e del Dì

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_6

busto de bronze de Michelangelo realizada por Daniele da Volterra

A “Camera degli Angioli” foi por muito tempo uma capela e os afrescos nas paredes, realizados por Jacopo Vignali, ilustram os santos e beatos da cidade de Florença que, precedidos por João Batista, eles avançam em procissão da igreja militante à igreja triunfante.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_4

Camera degli Angioli

No “Studio” é exaltada a genialidade e a fama de Michelangelo. No teto, Cecco Bravo realizou um afresco com a personificação da fama. Nas paredes, afrescos de Cecco Bravo, Matteo Rosselli e Domenico Pugliani representadam as efígies de Toscanos ilustres, reunidos por tipo: em frente a porta da frente, poetas e escritores; astrônomos esquerda, matemáticos, navegadores, físicos, médicos, simplistas; à direita, oradores, advogados, historiadores, humanistas; acima da porta da frente, filósofos e teólogos. Debaixo dos afrescos foram realizados uma série de armários, incrustados com marfim e madrepérola, descrevendo guirlandas de frutas, flores e folhas. Na foto abaixo, podemos ver vários escritores e poetas famosos como Dante e Bocaccio.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_2

Cecco di Bravo – os poetas e escritores

Os desenhos de Michelangelo

Apesar de Michelangelo ter queimado um grande número de desenhos antes de morrer, alguns permaneceram. Alguns dos desenhos terminaram imediatamente no mercado romano, mas uma parte deles foi comprada pelo sobrinho Leonardo, o qual provavelmente os deu ao duque Cosimo I de ‘Medici.

Uma parte dos referidos desenhos, em seguida, voltou para os herdeiros de Michelangelo quando o sobrinho deste, Michlangelo Buonarroti o Jovem, começou a montar o museu dedicado ao tio, ou seja, a Casa Buonarroti. A maioria das folhas foram agrupadas em volumes, e os desenhos que pareciam mais interessante foram expostos, em rotação nas novas salas.

Naquela época era a maior coleção de desenhos de Michelangelo e, de fato, continua a ser, apesar de ter diminuído ao longo dos anos. No final do século XVIII muitos esboços foram vendidos por Filippo Buonarroti para Jean Baptiste Wicar, enquanto outra parte foi enviada em 1859 para o British Museum.

Quando Cosimo Buonarroti, o último herdeiro de Michelangelo, morreu em 1858, ele desejou que todos os bens da Casa Buonarroti fossem destinados à cidade de Florença, de modo que todos pudessem apreciá-los. Assim, ainda hoje, mesmo que por rotação (são muitos, não dá para expor todos ao mesmo tempo), podemos contemplar os maravilhosos desenhos de Michelangelo.

Uma dica: vale lembrar que o museu organiza anualmente exposições sobre vários aspectos da vida e arte de Michelangelo e sobre o patrimônio cultural e artístico da Casa Buonarroti. Fique atento ao calendário das exposições aqui.

Enfim, se acontecer de ir para Florença não se esqueça de passar por minha casa. Casa Buonarroti em Florença aguarda-o com os seus tesouros e suas muitas maravilhas a ser descoberto pouco a pouco. Gustatevela tranquilamente, demasiada pressa você perderia as notas gosto valiosos detalhes.

casa-buonarotti-michelangelo-museu-florenca_10

Você já leu os outros textos sobre Michelangelo que já fizemos?

Informações

Casa Buonarotti –  site
Endereço:
Via Ghibellina 70, Florença
Bilhetes:
Inteiro: € 6,50
Reduzido (grupos, estudantes e pessoas com mais de 65 anos): € 4,50
Horário de funcionamento do Museu:
De 1º de Novembro a 28 de Fevereiro: das 10 às 16h
De 1º de março a 31 de outubro: das 10 às 17h
O museu não abre às terças-feiras e nos seguintes feriados:
1º de janeiro, Domingo de Páscoa, 15 de agosto e 25 de dezembro

 

Que tal visitar Florença com uma guia brasileira? Veja as nossas opções de tours particulares AQUI.

*Este post contém indicações para  serviços de afiliados. Para ver nossa política de monetização, clique aqui.


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Mapa

Participe e dê seu pitaco!