A tradição das fogueiras de Natal na Toscana

24/dez | por Deyse Ribeiro

A tradição das fogueiras de Natal na Toscana, ou como são chamados aqui, os “falò”. Veja como nasce essa curiosa tradição e onde elas acontecem.

página facebook do Città delle Fiaccole

Foto: página facebook do Città delle Fiaccole

O Falò

O falò, nome em italiano da grande fogueira de Natal é parte de uma purificação e um ritual de consagração. Em muitas regiões da Europa continental, as fogueiras são tradicionalmente feitas por ocasião de certas festas religiosas cristãs, como a 16 de janeiro (véspera do aniversário de Santo Antônio Abade), no sábado santo, no dia 8 de maio (Solenidade da Aparição de São Miguel Arcanjo no Monte Gargano) e no dia 24 de junho (festa de são João Batista). Esses rituais são muitas vezes relacionados com ritos pagãos antigos.

O falò na Toscana

O origem na Toscana está nos rituais pagãos desenvolvidos primeiramente nos Vales dos Alpes Apuanos pelos povos Liguri, muito antes dos ritos de fogo do Cristianismo. Essas fogueiras tinha duas funções específicas: a primeira servir como purificação, como destruição de todas as influências negativas pessoais, como bruxas, monstros e demônios e até mesmo as impessoais, como doenças e infecções. Pois é através do fogo, elemento purificador por excelência, simbolicamente se destrói todas as dores e sofrimentos acumulados durante o ano, renovando assim a confiança para o novo ciclo de estações que esta prestes a começar.

Foto: página facebook do Città delle Fiaccole

Foto: página facebook do Città delle Fiaccole

A segunda função era a de festejar o sol, e estas cerimônias eram realizadas no solstício de inverno quando os dias lentamente começavam a ser, pouco a pouco mais longos, por isso as fogueiras era uma forma de propiciar através destes rituais, incêndios de benevolência ao deus do sol, para trazer a luz do dia e seu calor. Há muitas histórias que o deus pagão oferecia aos seus fiéis através do fogo, alguns presságios sobre as colheitas, epidemias e fome através da intensidade das faíscas, o crepitar da amendoeira, da direção da fumaça, enquanto as brasas recolhidos no dia seguinte eram mantidas como preciosos amuletos. A transformação do ritual pagão ao rito cristão foi breve. Com a afirmação do cristianismo a igreja tentou desencorajar e proibir esta tradição fogo, não só em Garfagnana mas em todos os lugares onde esta existia.

Gorliano

Gorfigliano

Hoje em Gorfigliano e em outras cidades da Toscana esta tradição magicamente ainda vive e, ao longo dos séculos, o significado que foi atribuído a este rito foi alterado para um “sentido mais católico”, hoje o significado é o de  aquecer o Menino Jesus em sua chegada ao mundo.

O Natalecci em Gorfigliano

No vilarejo de Gorfigliano (700 habitantes), que pertence à cidade de Minucciano na província de Lucca, o Nataleccio é uma grande fogueira de natal, uma construção de forma cilíndrica formada de pedaços de madeira, no dialeto local leva o nome de “tempia” e que pode ser de castanha, carvalho ou faia, em torno do qual é colocado o “tessuta” uma grande quantidade de ramos de ginepro. A fogueira de cada bairro ou vilarejo próximo é acessa às 18hs do dia 24 de dezembro.

Foto: wikipedia commons

Foto: wikipedia commons

Para realizar a construção, no entanto, é necessário encontrar um lugar bem alto no vilarejo, que ja está a quase 700 m acima do nível do mar, para ser visível a todos e só depois é que começa o grande trabalho, onde jovens e idosos são envolvidos durante meses. É coletado aos poucos o material e construído assim o cilindro, que normalmente pode chegar a 15 metros de altura, com 3 à 4 metros de diâmetro.

A habilidade reside em fazer esta estrutura o mais estável possível, de modo que ela não caia, e uma perfeita “tessitura” (os vários pequenos ramos) com o ginepro, que garante uma chama duradoura, que deve durar mais do que vinte minutos.

Foto: wikipedia Commons

Foto: wikipedia Commons

Os Natalecci são objecto de uma competição de cada bairro ou vilarejo próximo, onde depois se define o falò (a fogueira) vencedora e ganha aquele com a maior chama, visível, livre de fumaça, e que dure por mais de vinte minutos.

A competição entre os distritos (na época eram sete), agora são três,  mantêm viva a tradição do Natalecci, que na noite de 24 de dezembro às 18 horas, são acessos, sempre saudados pela “Ave Maria” cantada pelo povo e por aplausos, gritos de alegria e gritos de boa sorte em louvor ao fogo. Com o fim do fogo todo mundo corre na praça, onde comentam sobre o resultado, mesmo entre controvérsia ferozes, e até mesmo algo mais … sugestões, sensações e emoções que só na véspera de Natal e a região da Garfagnana pode oferecer.

Vale a pena ver o vídeo, mesmo se você não compreende o italiano, para ver como é a festa de Gofigliano:

Veja aqui saber mais sobre o evento.

Borgo delle Fiaccole em Abbadia San Salvatore

a cidade

a cidade e a abadia

Na noite de 24 de dezembro em Abbadia San Salvatore, uma cidadezinha aos pés do Monte Amiata, na região ao sul da Toscana, ocorre a tradicional iluminação das tochas (fiaccole em italiano) e fogueiras (falò), em meio a canções e música popular. Mas a festa em si, começa com a festa da Imaculada (8 de dezembro) até janeiro, com um rico calendário de eventos, com mercados de rua, iluminações, shows, comida e vinho.

Uma das tradições mais fortes da região é a das tochas (fiaccole) e das fogueiras (falò) de forma piramidal, com significado de “elevação ao céu” em antecipação à meia-noite de 24 de dezembro, momento em que se acende o fogo,  um antigo ritual que envolve toda a população e que é passado de geração em geração.

Foto: página facebook do Città delle Fiaccole

Foto: página facebook do Città delle Fiaccole

É uma tradição tem suas raízes antes do século XI, quando o povo que vivia perto da Abbadia e das cidades ao longo da Via Francigena se reuniram lá para a missa do galo. As chamadas fiaccole, ou seja tochas, e os falò, ou seja, as fogueiras, eram acesas para iluminar a estrada e manter as pessoas quentes. Hoje a figueira supera os 7 metros de altura.

As festividades começam às 18 horas do dia 24 de dezembro com o acendimento da pira sob as arcadas da cidade e da “Benedizione del fuoco”, bênção do fogo. Mais tarde, por volta das 21, um presépio vivo com gaiteiros e outros grupos de pastores suam a canção das “Pastorelle“, ou seja as pastorinhas, pelas ruas dos bairros da cidade parando em frente de cada tocha. As festividades terminam com pequenos quiosques que oferecem doces e vinho quente.

Saiba mais sobre o evento aqui. O site oficial do evento é www.cittadellefiaccole.it.

Fiaccolata di Natale na Via Francigena em Monteriggioni

Também na Via Francigena, mas já a cidade de Monteriggioni, próximo de Siena, se comemora com “Fiaccolata di Natale”, onde não há fogueiras, mas tochas em uma tradicional caminhada na via dos peregrinos antigos até a missa na Abadia do século XI.

monteriggioni_2

No dia 24 de dezembro a procissão  –  Fiaccole di Natale – começa às 21 hs, após a distribuição, e a iluminação das tochas (fiaccole), os fiéis cruzam a Porta Senese e caminham ao longo da estrada de terra que percorre as paredes do castelo iluminada por tochas, e irão até a Colonna di Monteriggioni na via Cassia.

Depois de um pequeno trecho na estrada pavimentada em direção Colle Val d’Elsa, a procissão chegará oficialmente na antiga Via Francigena e irá em direção da Abbadia ad Isola iluminando o caminho com a única ajuda de tochas, assim como fizeram os peregrinos antigos em seu caminho. A viagem termina com a celebração da Santa Missa na Abbadia ad Isola na Igreja dei Santi Salvatore e Cirino de 1001 d.c. às 23:00. Depois da missa, um ônibus traz de volta os fiéis até Monteriggioni.

A rota do Fiaccole di Natale corre ao longo de 4 km de estrada através de bosques e campos, uma experiência de oração muito especial e de reflexão para viver e ver.

Foto: il cittadino online

Foto: il cittadino online

Veja o programa do evento aqui.

.

Essas celebrações são exemplos lindos de tradição antiga e bem preservada das pequenas cidades da Toscana, que estão fora da tradicional rota turística, mas que vale a pena a visita durante a celebração de Natal.

Veja os outros textos sobre as festas de fim de ano aqui:

*Este post contém indicações para  serviços de afiliados. Para ver nossa política de monetização, clique aqui.


Publicidade

Compartilhe este conteúdo:


Por Deyse Ribeiro
Twitter - Facebook - Google Plus - Instagram - RSS

Participe e dê seu pitaco!